sexta-feira, 23 de julho de 2021

Martin Lee Gore : Parabéns pelos 60 Aninhos !

E hoje é aniversário do Martin Lee Gore, completando 60 anos !

A pessoa que escreve sobre as coisas que acontecem em nossas vidas.

Um dos pontos mais fortes no Depeche Mode e no meu coração, pois suas letras sempre tem algo a me dizer...

Aprendo com o Depeche Mode, a cada álbum, a cada letra dele.

Realmente é a trilha sonora da minha vida, desde a época das fitinhas K-7 !

Parabéns Martin, vida longa à você !

Paz e muita saúde...

... para continuar escrevendo e emocionando a gente...





São Nossos Sinceros Votos !

Faith & Devotion !!! 

JeanBong13


terça-feira, 20 de julho de 2021

The 12'' Vinyl Singles Collectors Edition Box Series - Anunciam Pré venda para Ultra

Com pré venda anunciada para o lançamento em 10 de setembro de 2021.

O Depeche Mode dará sequência aos boxes : The 12'' Singles Collectors Edition.

Agora é a vez do Ultra :

Ultra | The 12" Singles, é um box de luxo edição de colecionador, que contém oito discos de 12" apresentando os quatro singles - Barrel Of A Gun, It's No Good, Home, e Useless - com b-sides, remixagens e gravações ao vivo do nono álbum de estúdio do Depeche Mode, Ultra, originalmente lançado em 14 de abril de 1997.

Três discos são compostos por faixas lançadas pela primeira vez em CD singles ao longo de 1997.

Cada um desses novos discos apresenta obras de arte refletindo os lançamentos originais do CD single, para criar singles recém-compilados de 12" que complementam os lançamentos iniciais.

Incluindo a réplica do poster promocional de Barrel Of A Gun.

Cada box set da série contém os singles de cada álbum do Depeche Mode em vinil 12'' de qualidade audiophile, com áudio masterizado das fitas originais.

A arte para o exterior de cada box se baseia na iconografia inspirada nos lançamentos originais, enquanto as próprias capas de vinil apresentam a arte original.

A Depeche Mode 12" Singles Series continuará nos próximos anos, com planos de lançar caixas contendo os singles de cada um dos álbuns da banda em edições de colecionadores de audiophile de luxo.

Faith & Devotion !!!
JeanBong13

História Do Recoil : A Strange Hour In Budapest (Blu-Ray)

Hoje na História do Recoil (21 de julho de 2012):

Data de lançamento do Blu Ray do Recoil - A Strange Hour In Budapest


A edição digipack limitada preto e branco, esgotou rapidamente.

Dirigida e editada por Átila Herkó, esta Red Edition de 'A Strange Hour In Budapeste', nesta segunda,  "red edition" mais padrão tem uma embalagem um pouco mais simples - sem digipack, mas sim um estojo preto clássico com arte de capa alternativa, incluindo o livreto de 16 páginas repleto de informações e manipulações de fotos por Ákos Szénási. 

O conteúdo do disco será exatamente o mesmo, com filmes promocionais extras e projeções ao vivo.

Rever a música do RECOIL não é uma tarefa comum...

Primeiro por causa da relação emocional entre o Alan Wilder e seus fãs. Tanta coisa aconteceu desde o primeiro projeto do Recoil no final dos anos 80, tanto em seu papel no Depeche Mode até 1995 quanto na evolução de seu trabalho solo.

Embora ele regularmente lançasse álbuns desde sua saída do DM, ele estava trancado em seu estúdio e as chances de vê-lo ao vivo um dia eram pequenas.

Então, quando de repente o projeto 'Selected' foi anunciado em 2009 (uma compilação trabalhada em versões e remixes inéditos, turnê...) a alegria era imensa.

Este não foi um show "ao vivo" real com músicos e assim por diante, mas o conceito foi interessante e promissor: Alan Wilder, Paul Kendall, dois laptops e um par de teclados, uma tela gigante para projeções visuais... e funcionou muito bem.

 Apesar de não ter performances ao vivo, houve mais mudanças e diferenças entre cada show do que em uma turnê do Depeche Mode.

Em constante evolução, a "Strange Hours Tour" estava perto de um set de Dj Electro.

O show abrange tanto seu próprio trabalho ('Prey', 'Want', 'Drifting', 'Allelujah' para citar alguns), alguns remixes do Depeche Mode ('Never Let Me Down Again', 'In Your Room', 'Walking In My Shoes', 'Personal Jesus') e algumas outras peças interessantes como 'Warm Leatherette' e 'Are Friends Electric?' ...

Inútil dizer que quando a linha Aggro Mix Bass-line de 'Never Let Me Down Again' aparece no final de 'Killing Ground', a multidão vai à loucura!

Alan Wilder até encoraja o público aqui e ali...

Há um convidado especial, o amigo de longa data e colaborador Douglas McCarthy do Nitzer Ebb em Faith Healer.

No geral, esta trilha sonora de 80 minutos é uma viagem aprofundada  na carreira mais criativa do músico.

Essencial para todos os fãs, e uma maneira muito boa de pessoas curiosas descobrirem seu trabalho.

Todas as faixas são distorcidas e retrabalhadas o suficiente para ter uma sensação ao vivo e interesse, mas apenas o suficiente para não fazê-lo soar como um conceito intelectual inacessível.

A qualidade da imagem também é impressionante.

Como bônus, 3 vídeos promocionais de 'Prey', 'Want' e 'Allelujah' bem como 16 minutos de projeções de vídeo usadas durante o show ao vivo.

A única desvantagem do projeto é que nenhum DVD está disponível para aqueles que não possuem um BluRay... e ainda há muitos deles...

Tracklist :

01. Intro

02. Prey

03. Want

04. Drifting

05. Allelujah

06. Killing Ground

07. Never Let Me Down Again

08. In Your Room

09. Uranokemia

10. Warm Leatherette

11. Heartbeat Interlude

12. Stalker

13. Faith Healer

14. Shunt

15. Jezebel / Walking In My Shoes / Are Friends Electric?

16. Personal Jesus

Bonus:

PROMOTIONAL FILMS Running time : 21 minutes

WANT (Renegade of Noise 808 remix)

PREY (Shotgun mix)

ALLELUJAH (subHuman album version)

Additional Information

A Strange Hour in Budapest - Running time: 84 minutes

Directed by: Attila Herkó

PROMOTIONAL FILMS Running time : 21 minutes

Directed by : Dmitry Semenov

LIVE PROJECTIONS - Running time : 16 minutes

Line-up : 

Alan Wilder – Keyboards & Machine

Paul Kendall – Keyboards & Machine







Excelente Show !
Faith & Devotion !!!
JeanBong13



sábado, 17 de julho de 2021

Violator : The 12'' Singles - Box Set

Hoje na História do Depeche Mode : 17 de julho de 2020
É a data do lançamento do box de série limitada em vinil, do Violator : The 12" Singles.
(Originalmente com data prevista para 24 de abril de 2020.)
Dos Box Sets lançados até agora, é o primeiro que vem com material extra e alguma coisa realmente interessante para quem já tem tudo... (é o famoso "caça níqueis com algo a mais", prá fazer os fans, comprarem novamente, o mesmo material.


Este box contém 10 discos com as versões original e limitada de cada single, incluindo a versão em vinil de "Quad: Final Mix" de "Enjoy The Silence" (que tem a rosa desenhada no lado b), a edição limitada e lacrada em plástico azul de "World In My Eyes", mais um 12" de "World In My Eyes" Promocional, apresentando um remix raro.
Inclui ainda : o poster de "Enjoy The Silence", adesivos escrito "Limited Edition Remix", e o encarte em tamanho grande das fotos diferentes de "Personal Jesus" que na época, cada formato de single (7'', K7 Single, 12'' e L12''), vinham com cada integrante da banda.













Violator The Singles 12 " :

01.- Personal Jesus (12BONG17)
02.- Personal Jesus - Remix (L12BONG17) 
03.- Enjoy The Silence (12BONG18)
04.- Enjoy The Silence - Remix (L12BONG18)
05.- Enjoy The Silence - Remix (XL12BONG18) - Etched 
06.- The Policy Of Truth (12BONG19)
07.- The Policy Of Truth - Remix (L12BONG19) 
08.- World In My Eyes (12BONG20)
09.- World In My Eyes - Remix (L12BONG20) - Blue sealed edition
10.- World In My Eyes - Promo (P12BONG20)

Disc 1: Personal Jesus (12BONG17):
Personal Jesus (Holier Than Thou Approach)
Dangerous (Sensual Mix)
Personal Jesus (Acoustic)

Disc 2: Personal Jesus - Remix (L12BONG17):
Personal Jesus (Pump Mix)
Personal Jesus (Telephone Stomp Mix)
Dangerous (Hazchemix)

Disc 3: Enjoy The Silence (12BONG18):
Enjoy The Silence (Single Version)
Enjoy The Silence (Hands And Feet Mix)
Enjoy The Silence (Ecstatic Dub)
Sibeling (Single Version)

Disc 4: Enjoy The Silence - Remix (L12BONG18):
Enjoy The Silence (Bass Line)
Enjoy The Silence (Harmonium)
Enjoy The Silence (Ricki Tik Tik Mix)
Memphisto (Single Version)

Disc 5: Enjoy The Silence - Remix (XL12BONG18):
Enjoy The Silence (The Quad: Final Mix)

Disc 6: The Policy Of Truth (12BONG19):
Policy Of Truth (Beat Box Mix [Edit])
Policy Of Truth (Capitol Mix)
Kaleid

Disc: 7 The Policy Of Truth - Remix (L12BONG19):
Policy Of Truth (Trancentral Mix)
Kaleid (Remix)
Policy Of Truth (Pavlov's Dub)

Disc 8: World In My Eyes (12BONG20):
World In My Eyes (Oil Tank Mix)
Happiest Girl (Kiss-A-Mix)
Sea Of Sin (Sensoria)

Disc 9: World In My Eyes - Remix (L12BONG20):
World In My Eyes (Dub In My Eyes)
World In My Eyes (Mode To Joy)
Happiest Girl (The Pulsating Orbital Mix)

Disc: 10 World In My Eyes - Promo (P12BONG20):
World In My Eyes (Mayhem Mode)
Happiest Girl (The Pulsating Orbital Mix [Instrumental])

Com certeza, será um dos box mais vendidos rapidamente, pois além dos extras, é considerado o "grande album" do Depeche Mode.

Daniel Cassus : Obrigado pelas fotos !!!
Faith & Devotion !!!
JeanBong13

segunda-feira, 12 de julho de 2021

História Do Depeche Mode : Strange (VHS)

Hoje, na História do Depeche Mode 12 de julho de 1988.
Lançamento do VHS "Strange", nos EUA.




Strange é um filme em preto e branco sobre e com Depeche Mode. 
(exceto por alguns megafones aleatórios que eram coloridos de vermelho)
É a segunda compilação de videoclipes do Depeche Mode, com os cinco primeiros vídeos do Depeche Mode dirigidos por Anton Corbijn, lançado em 1988.
Corbijn gravou todos os vídeos em Super-8.
Entre os videoclipes existem curtas-metragens, também criados pelo Sr. Corbijn.
Baseado no amor ou na vida ou luxúria ou talvez nada em particular e foi filmado na França, EUA, Espanha, Reino Unido, Dinamarca e Itália.
Ele apresenta as músicas :
Question Of Time (Remix)
Strangelove (7'' Version)
Never Let Me Down Again (Split Mix)
Behind The Wheel (Album Version)
Pimpf
Abre com o último single de "Black Celebration", inclui os três principais singles do "Music For The Masses", e termina com Pimpf, faixa instrumental que encerra o album "Music", sendo este clipe, praticamente exclusivo para esse VHS.
Tempo Aproximado : 30 Minutos.
Film Director [A Black And White Mode By, Directed By, Filmed By] – Anton Corbijn
Film Producer [Produced By] – Richard Bell

Para desespero dos fans, existe uma edição limitada esgotada, lançada em março de 1988 na Europa, que inclui 6 cartões postais, sendo 4 deles autografados, por cada um dos integrantes da banda.
Bem difícil de achar, e infelizmente, quando é encontrado, é muito, mas muito caro.
Para "nosso conhecimento e desespero" :












Lindo item de colecionador !!!
Fontes : Wikipédia e Discogs
Faith & Devotion !!!
JeanBong13

domingo, 11 de julho de 2021

História Do Depeche Mode : Everything Counts (Single)

Hoje na História do Depeche Mode (11 de julho de 1983):
Data de lançamento do single de Everything Counts, no Reino Unido.





A data se refere ao lançamento oficial do single 7''.
O single introduziu uma transição no conteúdo lírico para o grupo. 
"Everything Counts" trata especificamente a questão da ganância corporativa e corrupção na Grã-Bretanha, como o coro canta "grabbing hands" (mãos gananciosas) que "grab all they can"(peguem tudo que puderem). 
Talvez surpreendentemente, o single foi lançado em um momento quando a banda em si não estava sob um contrato formal com Mute Records (Gore publica suas músicas sob o nome de "Grabbing Hands Music"). 
Além de ter "encontrado" sons usados como samplers, o single também sampleia uma variedade de instrumentos musicais, como o xilofone e uma escaleta (que Martin é conhecido por tocar no palco da música).


Foi também a primeira canção no catálogo da banda, que inclui os dois cantores da banda proeminente (em momentos diferentes). 
O vocalista Dave Gahan canta os vocais dos versos, enquanto compositor Martin Gore canta os vocais em coro com apoio de Alan Wilder.

"É uma das minhas músicas favoritas", disse Dave Gahan, à Best em 1989. "'Construction Time Again', foi um passo importante em nossa carreira [...] As letras são atemporais,e falam de dinheiro, poder e corrupção."

Alan Wilder: “Gosto de 'Construction Time Again', devido à sua ambição de seguir em frente. 
Você pode ouvir só coisas boas neste LP, como "Everything Counts", por exemplo."

"Everything Counts" se concentra nas atitudes das duas faces que abundam na indústria. E não apenas no negócio da música, mas em qualquer lugar onde o dinheiro esteja envolvido. 
Gore afirma que por trás de todos os acordos e motivos, existe puro egoísmo. "Não sou tão amargo assim, pessoalmente. Eu tenho uma vida confortável. São apenas algumas coisas que notei." Alan acrescentou: "Estamos em uma posição privilegiada para sermos bons observadores, já que estamos sempre conhecendo grupos, e ouvindo falar de acordos duvidosos."

"Todas as viagens que fizemos certamente ajudaram muito", admitiu Dave Gahan:"'Everything Counts', foi parcialmente inspirado na Tailândia - é aí que entra o lado oriental, como a Coréia. Você chega até lá, e todos os hotéis estão cheios de homens de negócios, tratando as pessoas como se não fossem nada! Eles só estão interessados ​​nos negócios deles - é isso que eu realmente odeio nos grandes negócios: as pessoas não se importam com as outras. Só com o dinheiro. Todas as mulheres que você vê  por lá, são prostitutas - essa é a única maneira de se ganhar dinheiro! O problema é que as pessoas no poder não se importam com alguém com um salário baixo, apenas se preocupam com o próprio poder. Mas acho que as pessoas devem se preocupar com as outras, porque desde o momento em que nascemos, somos colocados em competição [...] as atitudes das pessoas precisam mudar. Você precisa olhar o mundo para mudar as coisas." (NME, 17.09.1983)

Em uma entrevista de 1985, à revista britânica nº 1, Andrew Fletcher falou sobre "Everything Counts":

AF: " ... estávamos experimentando várias tecnologias novas... e tínhamos emuladores e sincronizadores para fazer um novo som. A música discute problemas de corrupção e ganância corporativa no Reino Unido, e usa como metáfora, 'agarre com suas mãos';  'agarre o que puder."

O videoclipe de "Everything Counts" foi dirigido por Clive Richardson, e filmado na antiga Berlim Ocidental. 
O Depeche Mode voltou com Richardson, depois de estar insatisfeito com o diretor de videoclipes anterior, Julian Temple, que dirigiu os vídeos de "A Broken Frame".

De acordo com Alan Wilder:

"Após anos trabalhando com Julien Temple, precisávamos fortalecer não apenas nosso som, mas também nossa imagem! 
Clive tinha muitas idéias novas, que não envolviam storyboards estúpidos, nos quais tínhamos que atuar!"

Sobre o vídeo :

Fletcher: "Eu não gosto dos nossos primeiros vídeos, porque fomos usados ​​como experimento para algumas idéias desonestas.Todos eram vídeos do tipo storyboard, e tivemos que atuar bastante. Além também de não sermos bons nisto."

Martin concordou: "Conseguimos encontrar um diretor que gostamos em Clive Richardson. Trabalhamos muito bem com ele, e investimos agora, muito mais tempo e energia nos clipes."

O lado B :
"Work Hard (remix do East End)"

É a primeira música do Depeche Mode, (sem instrumentais), creditada a Martin Gore e Alan Wilder. 
"O single consistia principalmente em quebra de madeira", explicou Dave Gahan: “Corremos com um martelo e uma caixa de ferramentas pelos ferro-velhos, no leste de Londres, e batemos em tudo que podíamos encontrar. Gareth Jones tinha um gravador de fita cassete e um microfone e, é por isso, que voltávamos ao estúdio com sons altos e estranhos; que colocávamos em um sampler ou em uma fita analógica, e cortávamos várias vezes até que um bom ritmo saísse."



Complemento do Texto : Veronica Bussadori
Fontes : depechemode.com; Wikipédia; Wiki ao vivo do Depeche Mode dmlive.wiki/wiki/Everything_Counts + dmlive.wiki/wiki/Work_Hard; "New Life", No.1, 13.08.1983; Uncut Magazine, maio de 2016 www.uncut.co.uk/features/depeche-modes-dave-gahan-74135/2; “Stripped”, by Jonathan Miller; Shunt - www.recoil.co.uk

Faith & Devotion !!!
JeanBong13

sexta-feira, 9 de julho de 2021

História Do Recoil : SubHuman (Album)

Hoje na História do Recoil (09 de julho de 2007): 

Data de lançamento do álbum SubHuman, no Reino Unido.

SubHuman é o quarto álbum de estúdio do Recoil. 

Alan Wilder declarou em um vídeo no YouTube em setembro de 2006 que haveria um novo álbum chegando na primavera ou início do verão de 2007.

Em 23 de abril de 2007, ele lançou informações sobre o álbum via My space e seu site oficial, Shunt. 

SubHuman foi lançado em 9 de julho de 2007 na Europa e 14 de agosto de 2007 nos EUA.

Foi lançado em vários formatos, incluindo : CD padrão, vinil capa dupla e uma edição especial de CD/DVD que inclui surround 5.1 e mixagens exclusivas "ambiente". 

O DVD incluiu todos os videoclipes feitos até o momento do lançamento.

Trabalhando com Wilder neste álbum estava o bluesman nativo de Nova Orleans Joe Richardson, que contribuiu com vocais, guitarra e gaita. 

Também trabalharam no subHuman : Hepzibah Sessa, e Paul Kendall, que trabalhou no álbum Liquid  de 2000 e mixagens do álbum Unsound Methods de 1997. 

Outra colaboradora foi a cantora inglesa Carla Trevaskis, que trabalhou com Fred de Faye (Eurythmics), Cliff Hewitt (Apollo 440) e Dave McDonald (Portishead).

A faixa "99 to Life" refere-se à pena máxima de prisão proferida, aquém da pena de morte. 

Isso é baseado em uma história real de acordo com Richardson em uma entrevista para a revista de música Side-Line.

Lista De Faixas :

CD: MUTE / CD STUMM 279 (Reino Unido)

1." Prey " 8:21

2." Allelujah" 9:26

3." 5000 Years" 6:37

4." The Killing Ground " 9:55

5." Intruders " 11:36

6." 99 to Life" 8:10

7." Backslider" 7:09



CD/DVD: MUTE / LCD STUMM 279 (Reino Unido)

Inclui o cd acima e mais um DVD com:

Gravação de alta qualidade de 24 bits e 48 kHz de subHuman.

5.1 DTS e ac3 versões surround do subHuman.

Exclusivo ambiente (reduction mix) de subHuman também em qualidade de 24 bits/48 kHz.

Vídeos promocionais das músicas:

1. "Faith Healer"

2. "Drifting"

3. "Stalker"

4. "Strange Hours"

5. "Jezebel"

6. "Shunt" (vídeo oculto)

7. "Electro Blues For Bukka White (2000 Mix)" (vídeo oculto)






CRÉDITOS :

Alan Wilder - All Music

Joe Richardson - Vocal nas faixas 1,3,4,6 e 7. Guitarras & Gaita.

Carla Trevaskis - Vocal nas faixas 2 e 5.

John Wolfe - Bass Guitar

Richard Lamm - bateria

Hepzibah Sessa - Violino e Viola

Lee Funnell - Fotografia

Jesse Holborn no Design Holborn - Art Direction & Design

Texas Treefort Studios - Complexo de gravação, Austin Texas


Propaganda para a festa oficial de lançamento do SubHuman em Berlim :



Faith & Devotion !!!
JeanBong13