sábado, 8 de maio de 2021

Dave Gahan : Parabéns para o "Frontman" do Depeche Mode !

Para comemorar, mais um ano de vida :

Parabéns ao nosso querido Frontman do Depeche Mode !!!

Vamos fazer uma rápida retrospectiva :

Dave Gahan, nascido em 9 de maio de 1962, é um cantor e compositor inglês, mais conhecido como o vocalista da banda eletrônica Depeche Mode desde sua estreia em 1980. 

A revista Q classificou Gahan em 73º lugar em sua lista dos "100 Maiores Cantores" e nº 27 em sua lista de "Os 100 Maiores Frontman". 

Gahan é conhecido por sua "presença dominante no palco" e sua "voz barítona enorme e profunda".

Embora seu companheiro de banda Martin Gore continue sendo o principal compositor de Depeche Mode, Gahan contribuiu com uma série de canções para os álbuns Playing the Angel (2005), "Suffer Well" (indicado ao Grammy), "I Want It All" e "Nothing's Impossible". 

"Suffer Well" foi lançado como single em 2006, alcançando o número 12 no Reino Unido. 

Mais três canções escritas por Gahan, co-escritas com Christian Eigner e Andrew Phillpott, apareceram no décimo segundo álbum da banda, Sounds of the Universe (2009); as músicas são "Hole to Feed", "Come Back" e "Miles Away/The Truth Is". 

Gahan também escreveu a letra do B-side : "Oh Well", embora a música tenha sido escrita por Martin Gore. Foi a primeira colaboração de escrita deles. 

"Hole to Feed" foi lançado junto com "Fragile Tension" de Gore como um single "double A Side" no final de 2009.

Gahan é creditado por escrever as músicas "Broken", "Secret to the End", o single "Should Be Higher" e dois B sides, "Happens All the Time" e "All That's Mine" do décimo terceiro álbum do Depeche Mode, Delta Machine (2013); o co-escritor para essas canções foi Kurt Uenala. 

Gahan também escreveu uma música com Martin Gore chamada "Long Time Lie". 

Em seu álbum Spirit de 2017, Gahan é creditado como coautor das músicas "You Move", "Cover Me", "Poison Heart" e "No More (This Is the Last Time)".

Gahan também tem uma carreira solo, tendo lançado os álbuns :

Em 2003 (Paper Monsters que ele co-escreveu com o guitarrista e amigo Knox Chandler), seguido pela Paper Monsters Tour (incluindo uma performance no Glastonbury Festival de 2003), cantando suas novas faixas solo e algumas faixas favoritas dos fãs do Depeche Mode. 

O álbum foi um sucesso moderado. O primeiro single "Dirty Sticky Floors" chegou ao Top 20 na Uk Singles Chart. 

O álbum se tornou um top 10 na parada de álbuns europeus e um top 40 no Uk Albums Chart. 

Este sucesso foi apoiado por uma turnê mundial e um DVD ao vivo intitulado Live Monsters, que foi lançado em 2004.

E Em 2007, Gahan anunciou que estava trabalhando em um novo álbum através de um vídeo saudando o site oficial do Depeche Mode gravado no evento MusiCares Charity de 2007 em 11 de maio. 

O álbum, intitulado Hourglass, foi acompanhado por Andrew Phillpott e Christian Eigner. O material foi gravado no 11th Floor Studios, em Nova York.

De acordo com Gahan, Hourglass é mais eletrônica do que Paper Monsters. 

O álbum entrou no Top 50 do Reino Unido, no Top 20 francês e por pouco não chegou ao primeiro lugar na Alemanha. 

O primeiro single a ser retirado de Hourglass foi "Kingdom". 

O single passou uma semana no número 1 no U.S. Dance Chart. 

O segundo single de Hourglass foi o duplo A side "Saw Something/Deeper and deeper", lançado em 14 de janeiro de 2008. 

O vídeo que acompanhava foi filmado artisticamente no Hotel Chelsea, em Nova York, conhecido pela morte da parceira de Sid Vicious, Nancy Spungen.

Em 2012 e 2015, ele também contribuiu com letras e cantou vocais nos álbuns the Light the Dead See e Angels & Ghosts do Soulsavers.

Existem ainda faixas colaborativas : num tributo ao Roxy Music, no album do Junkie Xl e em bandas como : Mirror, FrYars, SixToes (que também fez um remix para Jezebel), Null+Void, Goldfrapp e Humanist.

Gahan mora em Nova York desde 1997. 

Ele vive com sua terceira esposa, Jennifer Sklias; sua filha; e o filho de Sklias de um relacionamento anterior, que Gahan adotou oficialmente em 2010. 

Gahan também tem um filho biológico chamado Jack de seu primeiro casamento com Joanne Fox. 

O casamento de Gahan com sua segunda esposa, Teresa Conroy, durou conturbados quatro anos.

Parabéns Gahan, são os sinceros votos da DMBrasil prá você !!!










Faith & Devotion !!!

JeanBong13


sexta-feira, 7 de maio de 2021

História Do Depeche Mode : Policy Of Truth (Single)

Hoje na História do Depeche Mode (7 de maio de 1990):
Data de lançamento do single de Policy Of Truth , no Reino Unido.









Policy Of Truth é o terceiro single do sétimo álbum Violator, album de 1990. 
Embora a canção tivesse menos sucesso que os dois primeiros singles anteriores, é a única entre o gráfico superior na Billboard Hot 100 chart (#15) e na UK Singles Chart (#16), bem como um pico no número dois na parada Billboard Dance/Club Play Songs.
Também tornou-se segunda da banda no chart Billboard Modern Rock Tracks.
Remixes :
François Kevorkian remixou uma nova versão single para o lançamento, estendendo-a ligeiramente enquanto baixava o ritmo, e também tornando os vocais de Dave Gahan mais proeminentes. 
Ele também remixou o "Beat Box Mix" (a versão de 12" do single) e o Pavlov's Dub.
The Trancentral Mix é do The KLF, uma popular banda "acid house" na época e é uma das apenas 3 ocasiões em que eles fizeram remixes para trabalhos de outros artistas (os outros sendo : So Hard e seu lado B "It Must Be Obvious" do Pet Shop Boys e "What Is Dub?" do Moody Boys).
O "Capitol Mix" usa o sample "I want to tell you my side of the case" do discurso de Richard Nixon.
Seu B-Side : "Kaleid" foi usado como introdução para a World Violation Tour do Depeche em 1990.
O videoclipe de "Policy of Truth" é dirigido por Anton Corbijn.

Fonte : Wikipédia 
Faith & Devotion !!!
JeanBong13

quinta-feira, 29 de abril de 2021

História Do Depeche Mode : Shake The Disease (Single)

Hoje na História do Depeche Mode (29 de abril de 1985):
Data de lançamento do single de Shake The Disease, no Reino Unido












“Shake the Disease" é o décimo terceiro single da banda Depeche Mode. 
Gravada no Hansa Mischraum em Berlim, a música foi lançada em 29 de abril de 1985 e não está presente em nenhum álbum de estúdio, porém foi inclusa na compilação The Singles 81-85 juntamente com "It's Called a Heart". 
A versão americana de The Singles 81-85, chamada Catching Up with Depeche Mode, também apresenta a música lado B de "Shake the Disease", intitulada "Flexible".
A canção era prevista para ser inclusa no então próximo álbum da banda Black Celebration, o qual foi lançado pouco menos de um ano depois, porém ela ficou pronta muito antes e a banda decidiu fazer uma compilação de singles para poder lançar a música antecipadamente.
O videoclipe da música foi o primeiro video do Depeche Mode a ser dirigido por Peter Care e apresenta um truque de câmera inovador que faz com que os membros da banda pareçam estar caindo.


A estação de rádio de rock moderno KROQ, de Los Angeles, nomeou "Shake the Disease" a música número um de 1985.
A frase "I've got things to do, and I've said before I know that you have too" é possivelmente uma referência à canção "Stories Of Old", do álbum do Depeche Mode, Some Great Reward de 1984, a qual contém a frase "I've got things to do/You have too/And I've got to be me, you've got to be you".
Seu som segue uma linha industrial, mas de tonalidades mais escuras e sombrias, com os teclados em um tom mais grave. 
A letra muito melancólica nos fala sobre altos e baixos nas relações de casal.
O membro da banda Alan Wilder sentiu que essa música capturou a essência da banda, afirmando que "há uma certa vantagem no que fazemos que pode fazer as pessoas pensarem duas vezes sobre as coisas. Se tivermos uma escolha entre chamar uma música de "Understand Me" ou "Shake the Disease", vamos chamá-la de "Shake the Disease". Há muita perversidade e insinuações em nossas letras, mas nada direto."



Single do álbum The Singles 81-85
Lado B: “Flexible"
Lançamento: 29 de Abril de 1985
Formato(s): Vinil (7" e 12"), CD Single (1991 box set)
Gravação: 1985
Gênero(s): Synthpop, Dark Wave, New Wave ("Shake the Disease")
Post-punk, alternative rock, punk rock, dance-rock ("Flexible")
Duração: 4:48 (7"/single/album version)
3:59 (Fade)
8:46 (12" version)
Gravadora(s): Mute Records
Composição: Martin Gore

Produção: Depeche Mode, Daniel Miller e Gareth Jones

Texto : Enock Neto e JeanBong (Complementos)
Faith & Devotion !!!
JeanBong13

quarta-feira, 28 de abril de 2021

História do Martin L. Gore : Counterfeit 2 (Album)

Hoje na História do Martin L. Gore (28 de abril de 2003):
Data de lançamento do álbum Counterfeit 2, no Reino Unido.


Counterfeit² é o primeiro álbum de estúdio de Martin Gore, o principal compositor da banda Depeche Mode, e seu segundo lançamento (seu primeiro foi o Counterfeit e.p. em 1989).
Lançado em 28 de abril de 2003 na Europa e em 29 de abril de 2003 nos EUA, Counterfeit² é um álbum com 11 covers de canções que Gore considerou influente para suas próprias composições para Depeche Mode. 
Ele gravou este álbum na mesma época em que Dave Gahan gravou seu primeiro álbum solo, Paper Monsters, depois que a turnê Exciter foi concluída, e na mesma época em que Andrew Fletcher produziu o álbum de estreia autointitulado do Client. 
Counterfeit² é um álbum com muito sintetizador em comparação com os dois álbuns anteriores do Depeche Mode, Exciter e Ultra, e inclui uma canção cantada completamente em alemão ("Das Lied vom einsamen Mädchen").
Gore também fez uma breve turnê que consistia em alguns shows na Europa e apenas los Angeles na América do Norte.

CD: Mute / CDSTUMM214 (UK)
01. "In My Time of Dying" – 4:24 (Tradicional, a versão de Gore é influenciada principalmente pela gravação de Bob Dylan, embora a versão do Led Zeppelin seja mais conhecida.)
02. "Stardust" – 3:08 (escrito por David Essex)
03. "I Cast a Lonesome Shadow" – 4:51 (escrito por Hank Thompson, Lynn Russwurm)
04. "In My Other World" – 3:53 (escrito por Julee Cruise, Louis Tucci)
05. "Loverman" – 7:02 (escrito por Nick Cave)
06. "By This River" – 4:01 (escrito por Brian Eno, Hans-Joachim Roedelius, Dieter Moebius)
07. "Lost in the Stars" – 2:52 (escrito por Maxwell Anderson, Kurt Weill)
08. "Oh My Love" – 3:33 (escrito por John Lennon, Yoko Ono)
09. "Das Lied vom einsamen Mädchen" – 5:25 (escrito por Werner R. Heymann, Robert Gilbert, originalmente interpretado por Hildegard Knef)
10. "Tiny Girls" – 3:20 (escrito por David Bowie, Iggy Pop)
11. "Candy Says" – 4:35 (escrito por Lou Reed, originalmente interpretado pelo The Velvet Underground)

Um single para a faixa "Stardust" foi lançado duas semanas antes do lançamento de Counterfeit². Incluía os B-sides "Life Is Strange" e um vídeo de "Left Hand Luke and the Beggar Boys" (ambas são duas canções soul escritas por Marc Bolan do álbum Tanx de 1973 do T.Rex), juntamente com vários remixes de "Stardust" e "I Cast a Lonesome Shadow".
















Excelente álbum do Martin !
Faith & Devotion !!!
JeanBong13

terça-feira, 27 de abril de 2021

História Do Martin L. Gore : MG (Album)

Hoje na História do Martin L. Gore (27 de abril de 2015):

Data de lançamento do álbum instrumental MG, no Reino Unido.


Martin Gore, compositor e membro fundador do Depeche Mode, anuncia o lançamento de 'MG', um evocativo álbum instrumental eletrônico de 16 faixas para o dia 27 de abril de 2015 pela Mute.

Escrito e produzido por Martin Gore, o trabalho começou em 'MG' após as datas finais da turnê 'Delta Machine' do Depeche Mode em março de 2013 no estúdio de Gore em Santa Barbara. 

Um álbum instrumental inteiro esteve em seus pensamentos por algum tempo, particularmente desde que ele tem escrito instrumentais para Depeche Mode desde 1981.

"Eu queria manter a música muito eletrônica, muito cinematográfica e dar-lhe uma qualidade quase sci-fi", explica Martin. "A música é uma necessidade para mim. Eu entro no estúdio pelo menos 5 dias por semana, toda semana, então uma vez que tive a ideia e o modelo, o processo foi rápido e divertido."

'MG' é uma trilha sonora de um filme emocional e misterioso de seu próprio design.

Do Angelo Badalmenti – como a atmosfera de 'ELK' à arrogância eletro industrial de 'Brink', é um paisagismo, uma visão única e prendedora.

Depois de terminar a gravação de 'MG', Martin pediu a Q para mixa-lo, o que parecia uma escolha perfeitamente natural, já que ele anteriormente mixou VCMG, Martin Gore e Vince Clarke do álbum de 2012, 'SSSS'.

Explicando a decisão de lançar o álbum sob a sigla MG, Gore diz: "Como o álbum é muito eletrônico e não tem vocais, senti que merecia ser outra persona então decidi continuar o conceito MG do álbum VCMG".

'MG' mostra outro lado desse músico multitalentoso. "Como compositor, estou ciente do poder das palavras", admite Martin. "Especialmente quando elas são justapostas da maneira certa com acordes e melodia. Também estou ciente do poder da música pura e das emoções que podem ser criadas por atmosferas musicais e é isso que eu queria capturar com este projeto."

O album é composto por instrumentais texturais, emocionais e cinematográficos. 

 "Europa Hymn" é a faixa que foi revelada na íntegra, com a Rolling Stone destacando seus sintetizadores "atmosféricos" e "melancólicos", VICE/Noisey elogiando sua "forte qualidade da trilha sonora", e Stereogum resumindo-a como "calma e galáctica".

MG Tracklist :

Pinking

Swanning

Exalt

Elk

Brink

Europa Hymn

Creeper

Spiral

Stealth

Hum

Islet

Crowly

Trysting

Southerly

Featherlight

Blade













Faith & Devotion !!!
JeanBong13